domingo, 21 de maio de 2017

Petrópolis (ou a serra do Alemão)

Subir a serra é sempre um programa de descobertas e tradições. Você entra literalmente no clima à medida que a serração vai aparecendo e encobrindo as montanhas. Logo na chegada à Petrópolis a parada na Pavelka é mais do que obrigatória.

 

Fundada em 1952 pelo casal de imigrantes tchecos Vladimir e Helene Pavelka, a pequena casa de frios com azulejos e mesas de fórmica coloridas sempre atraiu os visitantes.

Quando criança, gostava especialmente de chegar à noitinha com serração e esperar a confirmação: "Vamos parar no Alemão". Era aqui que meu avô e meu pai compravam frios e fazíamos um lanche com o tradicional sanduíche de linguiça que é exatamente o mesmo desde que frequento a região, ou seja, uns 52 anos.

A segunda parada era a casa vizinha para comprar biscoitos amanteigados e que convenientemente com o tempo mudou o nome para Casa do Alemão passando a disputar a clientela com produtos similares aos da Pavelka.

Entendeu agora quem é o alemão original ? Claro que é uma questão de gosto pessoal mas nunca abandonei o meu lanche favorito.

 

Nosso destino desta vez era Araras, distrito de Petrópolis conhecido pelas belíssimas paisagens.

Uma parada para compras na Rua Teresa e aguardo no boteco de raiz. Outra parada agora para comprar biscoitos amanteigados. De minhas muitas lembranças da infância em Petrópolis lembro bem de acompanhar meu avô Cláudio até a antiga casa de biscoitos do Sr Gastão onde uma conversa gentil era trocada antes de tudo. Ali meus olhos brilhavam e aguardavam pelas delícias que derretiam na boca. Especialmente sou fã até hoje dos biscoitos de araruta. Um café acompanha muito bem.

 

Ainda no Centro e já no caminho para estrada via Bingen passamos por uma esquina animada e resolvemos checar. Era a tradicional choperia Gehren. Fundada em 1941 como bar e leiteria, desde 1981 é tocada pela família Reuhter. De alemão para alemão a choperia passou por algumas reformas e aqui 7 x 1 não tem graça.

 
 
 

Pedimos chopps Itaipava e na sugestão do garçom a linguiça suína de whisky e laranja. Ajoelha e reza. Hora de agradecer aos colonos alemães que escolheram esta cidade para povoar.

 

Chegamos afinal ao nosso destino em Araras, o delicioso chalé da antiga pousada Pirineus com propriedade hoje tocada pelo simpaticíssimo casal de anfitriões Monica e Luis no sistema Airbnb.

Pense no paraíso ? Colada na pedra Maria Comprida e com ampla vista para a cadeia de montanhas da região, o local era tudo que precisávamos para um perfeito final de semana. Desafio da lareira cumprido, hora do brinde e relaxar admirando a vista.

 
 

No dia seguinte após o sono dos justos fomos visitar o Vale das Videiras, conhecido pela prática de mountain bike e caminhadas. Soubemos que aos sábados tem uma feira de produtos orgânicos e ainda conseguimos o último meio quilo de feijão vermelho da roça, gentilmente cedido por amigas que fizemos ali mesmo no boteco da pracinha.

De feijoada neste post apenas o belo conjunto de louça à venda no Galpão Caipira no vale. Anotamos algumas dicas para a próxima viagem, levamos queijo do Sítio Solidão e paramos para admirar o trabalho do Zé Preto.

 
 

O que mais se pode desejar da serra ? Local perfeito para a nossa comemoração de namoro.


Serviço:

Pavelka
Km 82 da BR-040, Quitandinha - Petrópolis
Tel (24) 2245-4102
R$ 12, o sanduíche de linguiça suína com queijo

Biscoitos do Sr Gastão
Rua 7 de abril, 420, Centro - Petrópolis
R$ 35, o quilo

Choperia Gehren
Rua Montecaseros, 626, Centro - Petrópolis
Tel (24) 2231-8445

R$ 39, a linguiça Capriata com whisky e laranja
R$ 7, o chopp claro ou escuro
R$ 12, o chopp Weiss

Chalés Pirineus
Tel (21) 97631-9994 Luis Carlos

sábado, 13 de maio de 2017

Comida di Buteco - Bonde Zona Sul

Encerrando a nossa pesquisa seletiva do melhor petisco do festival com porco e feijão partimos para o Bar dos Amigos no Horto. O acanhado botequim tem na simpatia do garçom seu melhor atributo. Abriu uma mesa nova ali na rua mesmo pois a calçada já estava lotada. A cerveja também veio em boa temperatura mas o petisco... era para ser um quibe de carne de porco mas nem com muito boa vontade achamos um pedacinho só que desse o gostinho. A visita foi rápida e partimos.

 

O Palhinha é um simpaticíssimo boteco cravado numa curva do Largo dos Leões e que já visitamos em outras edições do festival sempre com satisfação. Nossa expectativa era portanto elevada para o rocambole de carne suína com parma e queijo empanado na farinha Panko e acompanhada de fatias caramelizadas de abacaxi. Para tristeza do Bonde, a carne não estava 100% cozida e o empanado estava descolando sem esforço algum. Disse o staff que eles não esperavam tanto movimento mas é aquela coisa né ? Se não sabe brincar...

 

Uma esquina de Botafogo nos aguardava com outros dois participantes. Chegamos ao Bar da Foca, famoso por acolher animadas turmas de estudantes das faculdades vizinhas. Pausa. Inspira. Expira.

  

Cerveja mega gelada a R$ 8. O petisco era um sanduíche de pernil e queijo. Ok, vc já viu este sanduíches em muitos botecos por aí mas este aqui teve a carne de porco cozida lentamente na panela de pressão apenas com azeite e temperos. A receita do pão é também do Avelino, um dos sócios que passou a levantar na madruga para assar estas belezuras do trigo. É servido com queijo derretido e teryaki de gengibre. Chora, não vou ligar. Se vc não provou, vai chorar de tristeza e arrependimento.

Mas ainda tínhamos a última visita da tarde outonal. No outro lado da rua nos aguardava o Duque. Com ambiente arrumadinho e equipe atenciosa o bar impressiona. 

 

Pedimos a batida de paçoca servida numa generosa dose e o petisco de kaftas de carne de porco com molho de hortelã e pimenta e farofa de milho com bacon para dar o toque cereal do concurso. Muito gostoso, um pouco grosseiro na finalização mas com fritura e textura perfeitos.

  

Se não houver preconceito dos jurados pode anotar que o campeão chegou em forma de sanduíche! 


E assim findamos mais uma etapa de nossa participação eletiva no festival. Até o próximo !


Serviço:

Bar dos Amigos
Rua Pacheco Leão, 1124 - Loja A - Jardim Botânico (Horto)
Tel (21) 3114-7924
R$ 25,90 o petisco Refugiado

Palhinha
Rua Humaitá, 12 - Loja C - Humaitá
Tel (21) 2539-5709
R$ 25,90 o petisco Porquinho Havaiano

Bar da Foca
Rua Farani, 23 - Lojas A/B - Botafogo
Tel (21) 2553-7045
R$ 25, o petisco Porcolino

Duque
Rua Barão de Itambi, 67 - Botafogo
Tel (21) 3283-5916
R$ 21, o petisco Porco não chia

sábado, 6 de maio de 2017

Comida di Buteco - Bonde Grajaú

Bairro arborizado com muitas casas, o Grajaú merece ser redescoberto por cariocas e turistas. O festival Comida di Buteco é o motivo perfeito para explorar a área.

Começando pelo Santo Remédio, conhecido do grande público por outras participações no festival.

É aqui que os Bondes se encontram ! Damos de cara com o amigo Juarez Becosa, exímio frequentador da categoria.

 

Nosso bonde desta vez contava com as vegetarianas Adriana, companheira de muitos posts e minha filha Mariana que trouxe seu pretendente de Campina Grande. Para homenageá-las pedimos o jiló empanado com queijo ralado com excelente fritura e textura do recheio. Mas este não era o nosso foco e então partimos para o petisco concorrente composto de uma deliciosa paleta de porco desfiada e muito bem temperada acompanhada de bolinho de arroz e morcela que decepcionou pela textura molenga e fritura em excesso. A visita valeu a pena, o bar tem muitas outras opções mas nosso dever era continuar a peregrinação.

 

De lá para o Bar do Mariano que conhecemos no ano anterior durante o festival. O petisco só é servido após às 15h devido ao trabalhão que dá. Canudos de massa crocante com recheio de porco temperado na cerveja e especiarias acompanhando molho de abacaxi e dedo de moça. Pareciam rolinhos de primavera chineses e faltou apenas um pouco mais do porquinho na finalização do sabor. Pedimos ainda croquetes de berinjela para as vegetarianas.

 
 
 

Terceira parada Enchendo Linguiça. Este campeão de audiência do bairro também já é um conhecido do blog de outras visitas. Desta vez concorrendo com um intrigante petisco de tacos de milho e feijão carioquinha com linguiça de joelho de porco e molhos azedo, de salsa e à campanha. A porção era pequena demais para o preço mas impressionou bastante pela leveza e conjunto de sabores. 

 

Diria com muita facilidade que neste Bonde o vencedor foi o Enchendo Linguiça. 

 

De lá fomos para a comemoração do aniversário da Dri na feira de São Cristóvão, mas este já é um outro Bonde !

Serviço:

Bar Santo Remédio
Rua Caçapava, 02 Loja A, Grajaú
Tel 21 2238-9915
R$ o petisco Unidos Venceremos

Bar do Mariano
Rua Professor Valadares 78, Grajaú
Tel 21 2578-1232
R$ 25,90 o petisco #DiPorco

Enchendo Linguiça
Av. Engenheiro Richard nº 2
Tel 21 2576-5727
R$ 24, o petisco Botaco no buteco

sábado, 29 de abril de 2017

Comida di Buteco - Bonde Praça da Bandeira e Centro

Abril vc já sabe, Comida di Buteco na área, e o blog sai em busca dos petiscos com ingredientes de carnes de porco e feijão para provar.

 

Nosso primeiro bonde saiu com as amigas queridas Sonia e Kriko, paulistanas que nos visitavam no feriado do trabalhador e as cariocas Naná e Aninha. Mulherada forte nos trabalhos.

Partimos para a Praça da Bandeira, região que vem consolidando um interessante polo gastronômico, começando nosso trajeto pela Noo Cachaçaria.

 
 

O petisco é um bolinho de tapioca com queijo e linguiça acompanhado de molho de pimenta e cevada. Apresentação impecável, excelência na fritura e textura da massa. Se tivesse um pouquinho mais da linguiça no recheio diria que estávamos diante de um possível campeão. O atendimento é um primor, o dono super simpático, mas as batidinhas de cachaças... estas sim são imbatíveis ! Provamos as de açaí, maracujá com pimenta e taperebá com morango. Certamente um local para retornar após a febre do festival. Avance 3 casas.

 

Segunda parada Bode Cheiroso, um animado boteco próximo ao Maraca e que ganha ares de festa com enormes turmas ao redor de suas mesa em pé. O petisco de pernil desfiado com polenta cremosa e gratinado com provolone falhou na presença intensa do sabor da carne de porco mas valeu a visita. Avance 1 casa.

 

Terceira parada Mani&Oca, um pequeno boteco de esquina também na região da Praça da Bandeira e que costuma comparecer com força nas edições do festival. Não foi o caso desta vez um tanto quanto decepcionante. O mal finalizado bolinho de de aipim com costela bovina e queijo é acompanhado do molho com leve lembrança de whisky. Fique uma rodada sem jogar.


Última parada restaurante Antigamente, naquela que já foi uma das ruas mais agradáveis para o sábado à tarde e muitas vezes registradas aqui no blog. Levado por algum motivo irracional e com certeza sem anuência do IPHAN, o dono do restaurante, diga-se, sob nova direção, resolveu instalar enormes toldos sobre a rua de pedestres. Se de um lado conseguiu aumentar o número de mesas, de outro lado tornou insuportável o volume da roda de samba agora abafada acusticamente e muito pior do que isto, acabou com a grande atração do local, a vista para o patrimônio histórico que vem a ser uma das principais vias da história da cidade. Lamentável.

Mas estávamos aqui para provar o petisco, então vamos ao próprio. Não sei se por falta de sorte, e certamente não influenciados pela descaracterização do ambientes, nosso petisco veio com mini pão totalmente ressecado e recheio diminuto de mignon suíno e mozzarela gratinada. Este não vale a visita com certeza. Você perdeu ! Volte ao início do jogo.


Chegamos portanto ao fim desta primeira etapa já pensando no que viria pela frente.

Serviço:
Noo Cachaçaria
Rua Barão de Iguatemi, 358 - Praça da Bandeira
Tel 21 36894388
R$ 24, o pestico Cucuruqui
R$ 6, a dose de batida
R$ 12, cerveja Amstel

Bode Cheiroso
Rua General Canabarro, 218 - Maracanã
Tel 21 25689511
R$ 18, o petisco Debaixo do Angu tem Carne
R$ 12, cerveja Amstel

Mani&Oca
Rua Joaquim Palhares, 513 - Praça da Bandeira
Tel 21 35761127
R$ 7,90 o petisco Mani on the rocks

Antigamente
Rua do Ouvidor, 43 - Centro
Tel 21 25075040
R$ 25,90 o petisco Porqueta embriagada