quinta-feira, 23 de abril de 2015

Filhos de Jorge

São muitos os devotos que homenageiam no dia do Santo Guerreiro as conquistas e graças alcançadas servindo feijoada gratuitamente. 

O ator Nando Cunha, em agradecimento à conquista de trabalho, conta com a ajuda da família e amigos para a organização da 10a Feijoada Filhos de Jorge.


A festa vem crescendo a cada ano e hoje chega a 60 quilos de feijão preparados pela família do ator com dois dias de antecedência. 

Além da tradicional roda de samba com o Grupo Manguaça, participaram da festa Toninho Gerais, e Fred Camacho entre outros músicos convidados. Neste ano, a exemplo das edições anteriores, foram arrecadadas doações para leite integral para ações de caridade.

A feijoada preparada com feijão mulatinho tinha gostinho da casa da gente com carnes tenras e farofa temperada. Acho mesmo que a família do ator podia organizar outras feijoadas ao longo do ano para diminuir a espera.



Fora da caridade não há salvação ! Salve Jorge !


Dali para Quintino, onde a Igreja de São Jorge recebe os fiéis desde a alvorada em missas non-stop para agradecimento e novos pedidos de intercessão do santo para as dificuldades e batalhas de cada dia.


Encerramos a celebração na festa Salve Jorge no animado Largo das Neves em Santa Teresa.


Um pouco mais de História...

Devido à popularidade e reconhecimento de seus feitos em nome de Deus, e temerosa que sua fama pudesse obscurecer Jesus, a Igreja ordenou a destruição dos documentos comprobatórios da existência e origem do Santo Guerreiro.

O status de santo foi alcançado no ano 494 mas em 1960, na falta de comprovação de seus milagres, sua "celebração" foi redefinida para "comemoração". Foi apenas no ano 2000 que João Paulo II recuperou sua figura como "máxima importância" na Igreja.

Sua imagem e exemplo contudo persistiram em diversas civilizações, dos cruzados ingleses à chegada ao Brasil, sendo cultuado tanto pelos colonos que o tinham como padroeiro quanto por escravos africanos no sincretismo com Ogum, o orixá da guerra, do combate, do ferro e da metalurgia.

São Jorge é a representação do Bem contra o Mal, guerreiro que nos dá a esperança para combatermos o bom combate e guardarmos a fé, a exemplo de São Paulo.

" Um guerreiro valente que cuida da gente que sofre demais
Ele vem de Aruanda ele vence demanda de gente que faz
Cavaleiro do céu escudeiro fiel mensageiro da paz
Ele nunca balança ele pega na lança ele mata o dragão
É quem da confiança pra uma criança virar um leão
É um mar de esperança que traz a bonança pro meu coração "

A versão mais aceita de sua origem é do ano 280 na Capadócia cristã. Ao migrar para a Palestina acompanhando sua família teria se alistado no exército romano ainda na adolescência e lutado no Egito. 

No retorno da guerra foi preso e torturado ao questionar a obrigação imposta aos militares romanos à conversão ao paganismo. 

Degolado em 23 de abril de 303 sua tumba permanece na igreja de Lod em Israel.


domingo, 12 de abril de 2015

Comida di Buteco - Fases 1 e 2

Ontem mesmo era Carnaval seguido no calendário pela Páscoa, e quando vc pensa que vai endireitar, abril dá início ao festival Comida di Buteco. Fazer o que né ?


A edição 2015 conta com 45 concorrentes para apenas 31 dias de peregrinação e o tema proposto foi a inclusão de frutas nas receitas.

Já que não tem feijoada, meu foco para comentar no blog são os petiscos que trazem na composição variações do feijão e das carnes de porco.

Na Fase 1 passamos pela Delícia do Pavão, já arriscando aqui que temos um potencialíssimo concorrente ao primeiro lugar. 

O petisco criado pelo chef Filé tem na base uma deliciosa carne de porco desfiada coberta por angu, geléia de damasco e requeijão cremoso gratinado no maçarico. O diferencial aqui é que a fruta não é um simples acessório mas integra naturalmente a receita.



Fase 2: Bar do David agora muito mais badalado pela vizinhança da global Babilônia.

Aqui a Estrela de David já está brilhando ! 

O petisco tem na composição a minha perdição, costelinha de porco, neste caso acompanhada de geléia de abacaxi com pimenta e hortelã. Se a geléia vendesse em vidrinhos não ficaria um ao final do dia.

Fã declarado do menu pedimos também o Tropeiro Carioca para os amigos iniciados neste dia.

Tenho predileção pela caipirinha de cachaça Seleta com paçoca de amendoim, mas nesta tarde revezamos com a de ovomaltine com pedacinhos crocantes. Irresistível para chocólatras !



O melhor do festival mesmo é a oportunidade de reunir os amigos e fazer novas amizades. Tudo isto com boa desculpa para beber e comer ! Ops, isto é nome de bloco de Carnaval... e daqui a pouco começa tudo de novo !



Serviço:

Pavão Azul
Rua Hilário de Gouveia, 71 
Copacabana
Tel 2236-2381
R$ 15,00 a Delícia do Pavão

Bar do David
Ladeira Ary Barroso, 66
Leme 
Tel 7808-2200
R$ 27,90 a Estrela de David


quinta-feira, 2 de abril de 2015

Feijoada na Páscoa ?

Este post é para quem respeita a tradição de não comer carne na Semana Santa em memória ao sofrimento de Jesus mas não dispensa uma boa feijoada.

É possível se deliciar sem cair no pecado da carne.

Nas Laranjeiras a Tasca do Edgar oferece a tradicional receita portuguesa com frutos do mar em ambiente familiar. 

Em Copacabana o Vaval repete o sucesso que trouxe literalmente dos manguezais.

No Centro as opções incluem música ao vivo nas versões Japonesa e Marítima nos arredores da Praça XV.

E a turma vegana pode se deliciar em Copacabana no Biocarioca, em Botafogo no Vegan Vegan e no Centro no Tempeh.

Se vc pretende impressionar a família segue uma receita de feijoada de frutos do mar por quem sabe o que faz.

O mais importante é praticar o perdão, a compreensão e o amor a que somos sempre chamados, muito especialmente neste período.

Boa Páscoa !


Um pouco mais de História...

A Semana Santa é uma tradição religiosa católica que celebra a Paixão, a Morte e a ressurreição de Jesus Cristo. Ela se inicia no Domingo de Ramos, que relembra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém e termina com a ressurreição de Jesus, que ocorre no domingo de Páscoa.

Domingo de Ramos

O Domingo de Ramos abre solenemente a Semana Santa, com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém.

Jesus é recebido em Jerusalém como um rei, mas os mesmos que o receberam com festa o condenaram à morte. Jesus é recebido com ramos de palmeiras. Nesse dia, são comuns procissões em que os fiéis levam consigo ramos de oliveira ou palmeira, o que originou o nome da celebração. Segundo os evangelhos, Jesus foi para Jerusalém para celebrar a Páscoa Judaica com os discípulos e entrou na cidade como um rei, mas sentado num jumentinho - o simbolo da humildade - e foi aclamado pela população como o Messias, o rei de Israel. A multidão o aclamava: "Hosana ao Filho de Davi!" Isto aconteceu alguns dias antes da sua Paixão, Morte e Ressurreição. A Páscoa Cristã celebra então a Ressurreição de Jesus Cristo.

Segunda-Feira Santa

É o segundo dia que vem depois de Domingo de Ramos onde se recorda a prisão de Jesus Cristo.

Terça-Feira Santa

É o terceiro dia da Semana Santa, onde são celebradas as Sete dores de Nossa Senhora Virgem Maria. E muito comum também por ser o dia de penitência no qual os cristãos cumprem promessas de vários tipos ou o dia da memória do encontro de Jesus e Maria no caminho do Calvário.

Quarta-Feira Santa

É o quarto dia da Semana Santa. Em algumas igrejas celebra-se neste dia a piedosa procissão do encontro de Nosso Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores. Ainda há igrejas que neste dia celebram o Ofício das Trevas, lembrando que o mundo já está em trevas devido à proximidade da morte de Jesus.

Quinta-Feira da Ceia

É o quinto dia da Semana Santa e, na manhã deste dia, nas catedrais das dioceses, o bispo se reúne com o seu clero para celebrar a Celebração do Crisma, na qual são abençoados os óleos que serão usados na administração dos sacramentos do Batismo, Crisma e Unção dos Enfermos. Com essa celebração se encerra a Quaresma.

Neste mesmo dia, à noite, são relembrados os três gestos de Jesus durante a Última Ceia: a Instituição da Eucaristia, o exemplo do Lava-pés, com a instituição de um novo mandamento (ou "ordenança") segundo algumas denominações cristãs, e a instituição do sacerdócio. É neste momento que Judas Iscariotes sai para entregar Jesus por trinta moedas de prata. E é nesta noite em que Jesus é preso, interrogado e, no amanhecer da sexta-feira, açoitado e condenado.

A igreja fica em vigília ao Santíssimo, relembrando os sofrimentos de Jesus, que tiveram início nesta noite. A igreja já se reveste de luto e tristeza, desnudando os altares (quando são retirados todos os enfeites, toalhas, flores e velas), tudo para simbolizar que Jesus já está preso e consciente do que vai acontecer. Também cobrem-se todas as imagens existentes no templo, com panos de cor roxa.

Sexta-Feira Santa ou Sexta-Feira da Paixão

É quando a Igreja recorda a morte de Jesus. É celebrada a Solene Ação Litúrgica, Paixão e a Adoração da Cruz. A recordação da morte de Jesus consiste em quatro momentos: A Liturgia da Palavra, Oração Universal, Adoração da Cruz e Rito da Comunhão. Presidida por presbítero ou bispo, os paramentos para a celebração são de cor vermelha.

Sábado Santo ou Sábado de Aleluia

É o dia da espera. Os cristãos junto ao sepulcro de Jesus aguardam sua ressurreição. No final deste dia é celebrada a Solene Vigília Pascal, a mãe de todas as vigílias, como disse Santo Agostinho, que se inicia com a Bênção do Fogo Novo e também do Círio Pascal; proclama-se a Páscoa através do canto do Exultet e faz-se a leitura de 8 passagens da Bíblia (4 leituras e 4 salmos) percorrendo-se toda história da salvação, desde Adão até o relato dos primeiros cristãos. Entoa-se o Glória e o Aleluia, que foram omitidos durante todo o período quaresmal. Há também o batismo daqueles adultos que se prepararam durante toda a quaresma. A celebração se encerra com a Liturgia Eucarística, o ápice de todas as missas.

Domingo de Páscoa

É o dia mais importante para a fé cristã, pois Jesus vence a morte para mostrar o valor da vida. Esse dia é estendido por mais cinquenta dias até o Domingo de Pentecostes.

sábado, 28 de março de 2015

Feijoada Abençoada

Não é por falta de proteção que a feijoada do bar Imaculada é considerada abençoada. A imagem de Nossa Senhora da Conceição do alto protege o salão e seus frequentadores. 

A santa é também a padroeira do Morro da Conceição, bairro alto da Praça Mauá, que vem aos poucos sendo redescoberto pela cidade com as melhorias da região do projeto Porto Maravilha.


O acesso é bem fácil e a pé a partir da Rua do Acre, paralela à Avenida Rio Branco. Uma pequena escadaria leva à Ladeira João Homem onde o bar está instalado logo no início à esquerda.


O Imaculada faz referência aos grandes nomes do samba em cada mesa e suas paredes servem de espaço para exposições itinerantes de artistas novos.


A feijoada é servida às 6as feiras e aos sábados. Servida em cumbuca em porções individual ou para dois com carnes nobres, torresminho delícia, arroz branco, farofa, couve mineira e laranja seleta. Tudo perfeito como já era de se esperar da cozinha que criou o delicioso petisco Bola 7 para o festival Comida di Buteco.

Para beber peça as caipirinhas da casa servidas em generosas doses que justificam o preço. Caipirinha de morango é para mocinhas, correto ? Nada disso, deixe o preconceito de lado e caia de boca nesta opção servida batida como frappé. Imperdível.

No primeiro sábado do mês tem roda de samba ou chorinho. Acompanhe a programação no Face do Imaculada.


Para a digestão descubra os ateliers da região portuária subindo e descendo as ladeiras do Morro da Conceição até chegar ao Largo da Prainha. Depois faça uma visita ao Mar, museu na vizinha Praça Mauá e que possui uma excepcional coleção de arte com a temática da cidade.



Serviço:
Imaculada
Ladeira João Homem, 7 - Morro da Conceição
Tel (21) 2253-3999
https://www.facebook.com/barimaculada
barimaculada.com.br

R$ 75,90 a feijoada para 2 pessoas
R$ 35,90 a feijoada individual
R$ 18,90 a caipirinha de Velha Província em sabores diversos