sábado, 30 de julho de 2016

Sou Bastião

Uma nova orla se estende no centro da cidade desde a Praça Marechal Âncora até a Praça Mauá, numa tentativa de revitalizar a área através da ocupação dos espaços urbanos recém-criados.

 
 

É neste contexto que surge o Sou Bastião, evento multifacetado que reune música, dança, teatro, circo, poema, grafite e HQ às barraquinhas de comidinhas e bebidinhas na Praça Marechal Âncora bem em frente à torre do Albamar.

 
 
 

Na ala das bebidas destaque para o chopp Coruja do Madeiro Bier e a super simpática degustação de maltes torrados e flavorizados que ofereceram.

 

Na ala das comidinhas, provamos os sensacionais sandubas valetudo de carne do Hagar com queijo, bacon, abacaxi e ceboloa roxa, o de costelinha suína, cheddar, cebola caramelizada e pão de pimenta do Bocas Burguer e um big hot dog de linguiça suína do tipo Nuremberg da Espeteria Show de Bola.

 
 
 

Gostamos de tudo ! Programa tipo família. Sou Bastião, Sou Carioca !



É agora de se esperar que o poder público reveja a intenção de ocupar a nova orla. Um lapso da prefeitura não contemplou ainda o transporte público até o local, dificultando o acesso tanto na chegada e principalmente na saída quando a vizinhança fica totalmente deserta.

Para ficar por dentro do que vai rolar na área nos próximos dias acesse o site
http://visit.rio/editorial/boulevardolimpicoportomaravilha/





Serviço:
Sou Bastião
https://www.facebook.com/soubastiao/

Espeteria Show de Bola
R$ 14, o hot dog de linguiça Nuremberg

Madeiro Bier
R$ 12, o chopp Coruja de 300 ml

Hagar
R$ 20, o super sanduba carnívoro

Bocas Burguer
R$ 18, o sanduba de costelinha suína

#VemPraOrlaConde
Com o objetivo de estimular cariocas e visitantes a conhecerem a Orla da Guanabara Prefeito Luiz Paulo Conde, foi criado, em maio deste ano, o movimento #VemPraOrlaConde com programação especial para ocupação do espaço e seu entorno. A área de convivência conecta equipamentos culturais das avenidas Rodrigues Alves e Rio Branco e o Largo da Misericórdia, como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional, Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), Museu do Amanhã, Museu de Arte do Rio (MAR), Museu Naval, Museu da Justiça e o Cais do Valongo. A iniciativa é fruto de ação conjunta da Secretaria Municipal de Cultura (SMC) com a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp).


domingo, 3 de julho de 2016

Pequena África

Os Jardins do Valongo receberam a inauguração do Centro Cultural Pequena África com muito sol, alegria, história, música e feijoada !

Celina Rodrigues, a Mãe Celina e uma das diretoras do CCPA, recebeu os convidados para a festa que teve o apoio da Prefeitura do Rio na ocupação da antiga Casa da Guarda para resgate da memória da ocupação da Região Portuária com atividades que relembrem a história de lutas e conquistas dos negros.

 
 
 

É muita História para contar !

No final do século XVIII, a rua do Valongo - atual rua Camerino, no bairro da Saúde - passou a abrigar o mercado de compra e venda de escravos da cidade, o Cemitério dos Pretos Novos (onde eram enterrados em vala comum os negros que morriam no mercado), além dos escritórios de corretores envolvidos com a "mercadoria negra" e toda uma variedade de pequenos estabelecimentos voltados para a fabricação de objetos de ferro para tortura e aprisionamento. Mas, foi também ali na zona portuária que, depois da Abolição, as colônias de negros baianos e africanos constituíram a "Pequena África no Rio de Janeiro", um ambiente inesperadamente autônomo e peculiar, onde conseguiram afirmar sua liberdade e recriar sua cultura.

Fonte: http://www.escravosdamaua.com.br/circ_maua.htm

 

Dos moradores da região portuária destacam-se Machado de Assis, um dos maiores escritores brasileiros, nascido no morro do Livramento e João da Baiana, compositor e percussionista carioca, introdutor do pandeiro no samba.

Hilária Batista de Almeida, a tia Ciata, veio da Bahia em 1874 e desembarcou exatamente aqui no Cais do Valongo, fugida da perseguição religiosa. No Rio, participou das primeiras rodas de samba e tornou-se primeira dama das comunidades negras da Pequena África.

A Luziete trouxe sua feijoada para a roda Ancestral capitaneada neste dia pelo baluarte Rubem Confete e que ainda vai dar o que falar no próximo verão.

 
 

A roda



Um baobá, árvore de origem africana que carrega lendas e superstições, foi plantado ao lado do Cais do Valongo, atendendo ao pedido de organizações do movimento negro. A espécie Adonsonia digitata tem importância histórica e guarda simbolismos vindos de tribos africanas que utilizavam sua madeira para a construção de caixões e abriam sarcófagos na própria árvore para conservar os corpos.

Nas estreitas ruas de casarões centenários do morro, vizinhas como a Nonata dão hoje o ar da graça e mantém a tradição das festas abertas na rua. É só chegar.

 
 

A anfitriã Celina Rodrigues



Um viva aos que velam pela cultura dos ancestrais ! Gostamos e voltaremos !





Serviço:
Centro Cultural Pequena África
Jardim do Valongo, subida para o Morro da Conceição pela Rua Camerino, Saúde
Mais informações sobre dias e horários de visitação: (21) 99321-7121 – Celina Rodrigues

Casa da Tia Ciata
Rua Camerino 5, Saúde
Aberta terça e quinta-feira, das 14h às 17h, e sexta-feira, das 14h às 18h30
Mais informações ou agendamentos em outros dias e horários: remanescentesdetiaciata@gmail.com

sábado, 11 de junho de 2016

Por do Sol na Lagoa

Criado no final do Verão, o evento se estende por outras estações reunindo barraquinhas e trucks de gastronomia às margens da Lagoa no espaço público na altura do Jardim de Alah.

  

Fui em busca dos suínos e entre os sandubas do Oinc Point e Dona Sebastiana, ficamos com os dois !

De comer orando, o Rústico do Oinc Point é o seu campeão de vendas e traz o blend de costela e panceta montado no pão australiano com queijo da serra da Canastra e molho barbecue.

Entre as variações de linguiças do Dona Sebastiana escolhemos a de vinho e hortelão com molho chimichuri e queijo cheddar. O pão era molengo e se espedaçava a cada mordida mas não chegou a prejudicar a experiência.

Provamos ainda o Lombacon do Oinc Point montado na ciabata com lombo defumado, abacaxi, queijo Canastra e bacon, que é assim, gostoso, mas na próxima prefiro repetir o Rústico.

 
 
 

A área de convivência tem mesas e cadeiras para vc se acomodar e nesta edição junina teve trio de forró se apresentando à noite para esquentar a noite da Lagoa.

Ainda não tem feijoada mas com esse friozinho por aí não vai demorar muito para surgir um bom panelão entre as barraquinhas e trucks.

 
 
 
 

Serviço:
Por do Sol na Lagoa
https://www.facebook.com/pordosolnalagoa
(21) 97572-9282